Barulho excessivo nas festas de fim de ano pode afetar audição

Audicao Ano Novo Som Alto

As festas de final de ano estão chegando e, nesta época, são comuns os fogos de artifício, buzinas e carros de som com altos volumes – além do som alto dentro das casas, apartamentos, restaurantes – tudo para celebrar a entrada do novo ano com muita alegria. Mas todo esse barulho pode prejudicar a audição, se as pessoas estiverem próximas à fonte do ruído.

“Ficar longe dos fogos de artifício, carros de som e caixas de som nas festas pode evitar que a audição sofra algum dano. Esses equipamentos têm uma potência alta, que permite ouvi-los a uma grande distância. Então, o melhor é manter-se um pouco mais afastado”, aconselha a fonoaudióloga Isabela Gomes, da Telex Soluções Auditivas.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia (SBORL), a exposição a sons intensos é a segunda causa mais comum de deficiência auditiva. O excesso de barulho, ao longo do tempo, pode levar à surdez. “A exposição de pelo menos meia hora por dia em lugares muito barulhentos – não significando somente lugares fechados, mas também nas ruas, em trios elétricos, festas e micaretas – pode contribuir para a perda auditiva gradual, pois os ruídos elevados são capazes de afetar diretamente a audição”, lembra a fonoaudióloga da Telex.

Além de danos à audição, ansiedade, alterações de humor, irritabilidade e hipertensão arterial também são consequências de um longo tempo de exposição ao som alto. De acordo com a especialista, ruídos acima de 85 decibéis já são prejudiciais. Quanto mais repetitivo ou mais alto for o barulho, maior será o dano às células ciliadas da cóclea (órgão responsável pela audição sensorial).

“Um ruído próximo a 85 decibéis equivale a um grito”, compara Isabela Gomes. Ao longo do tempo, o indivíduo percebe que está perdendo a audição – e esse tempo pode ser aos 35, 40, 50 ou 60 anos, de acordo com a predisposição do indivíduo e a exposição a esses ruídos.

Em shows, boates e baladas, a música alta atinge normalmente mais de 100 decibéis, o que é muito prejudicial aos ouvidos. Segundo o England’s Royal National Institute of Deaf, três em cada quatro frequentadores assíduos de boates e danceterias estão sujeitos e desenvolver surdez precoce.

Muitas pessoas já podem ter alguma alteração na audição e não perceber de imediato o problema. Por isso, Isabela Gomes aconselha a consulta a um médico otorrinolaringologista uma vez ao ano; e nos casos de surdez genética, é essencial fazer logo o diagnóstico. “O mais importante é procurar um otorrinolaringologista para avaliar se há alguma perda ou complicação. Em muitos casos, o uso do aparelho auditivo resolve o problema”, conclui a fonoaudióloga.