Chuva atinge 38 municípios no RS e deixa quase 1,8 mil famílias fora de casa

Defesa Civil enchente em Uruguaiana

As cheias nos rios do Rio Grande do Sul já atingiram 38 municípios no estado. Segundo boletim divulgado na sexta-feira (25.12.15) pela Defesa Civil do estado, 1.795 famílias foram atingidas – 1.479 estão desalojadas e 66, desabrigadas. A previsão para os próximos dias é de tempo parcialmente nublado, com pancadas de chuva e trovoadas.

“Com as previsões que indicam tempo bom para os próximos dias, a expectativa é de que, aos poucos, as famílias já possam retornar para suas casas. Nesta sexta-feira, 150 famílias que estavam fora de casa em Santana do Livramento puderam voltar às suas residências”, informou a Defesa Civil.

No estado, 12 municípios decretaram situação de emergência. O Instituto Nacional de Meteorologia emitiu alerta de perigo devido ao acumulado de chuva no noroeste, nordeste, centro oriental do estado e região metropolitana de Porto Alegre.

A forte chuva causou, entre outros danos, a perda de grande parte da colheita de arroz em Quaraí, no sul do estado. O Rio Quaraí alcançou o valor recorde de 15,28 metros, levando as autoridades a interromperem, durante quase 24 horas, a circulação de veículos na Ponte Internacional de Concórdia, que liga o Brasil ao Uruguai. O Rio Uruguai também atingiu nível recorde, de 10,41 metros.

 

Municípios atingidos
15 de Novembro, Cachoeira do Sul,  Cândido Godói, Cruzaltense, Engenho Velho, Erechim, Floriano Peixoto,  Forquetinha, Fortaleza dos Valos, Gramado dos Loureiros, Guarani das Missões, Ibirubá, Liberato Salzano, Marques de Souza, Não-Me-Toque, Nonoai, Nova Ramada, Passa Sete, Pejuçara, Progresso, Roque Gonzáles, Santa Rosa, Santo Ângelo, São Miguel das  Missões, Sete de Setembro, Três Palmeiras, Trindade do Sul e Venâncio Aires.

 

Municípios com pessoas fora de casa
Agudo, Alegrete, Barra do Quaraí,  Itaqui, Jaguari, Quaraí, Rosário do Sul, São Borja e Uruguaiana.

 

Vizinhos
As chuvas e cheias também atingem a América do Sul e deixaram seis mortos e 150 mil desalojados na Argentina, Paraguai e Uruguai.

No Paraguai, quatro pessoas morreram em decorrência da queda de árvores e cerca de 130 mil pessoas foram obrigadas a sair de casa, informaram as autoridades do país. O presidente Horacio Cartes decretou estado de emergência para disponibilizar mais de US$ 3,5 milhões para emergências.

O diretor de Operações do Secretariado Nacional de Emergências, David Arellano, disse que estavam em curso ações de salvamento e de retirada de dezenas de famílias em risco de serem atingidas pelas águas do Rio Paraguai. Em torno da capital, 125 mil casas ficaram sem eletricidade e 17 centros de distribuição de energia sofreram danos por todo o país.

O Uruguai também declarou estado de emergência em três regiões do Norte do país. O número de pessoas desabrigadas chegou a 5,5 mil hoje.

Na Argentina, um menino de 4 anos morreu por causa das cheias. As autoridades suspeitam que ele tenha sido arrastado pela correnteza do Rio Saladillo, na cidade de Villa Gobernador Gálvez. Um adolescente de 13 anos também morreu depois de tocar em um cabo de alta tensão que caiu devido ao temporal, na cidade de Corrientes.

A subida do nível dos rios Uruguai, Paraná e Paraguai obrigou, no Noroeste da Argentina, a retirada de cerca de 20 mil pessoas das suas casas. Elas foram realojadas em abrigos provisórios instalados em escolas e ginásios. Na província de Entre Rios, pelo menos 10 mil pessoas estão desabrigadas.

 

 

El Niño
As fortes chuvas na região estavam previstas devido à ocorrência do fenômeno El Niño, que, segundo pesquisas, é um dos mais fortes já registrados na história.

O El Niño é um fenômeno climático caracterizado pelo aquecimento fora do normal das águas superficiais e subsuperficiais do Oceano Pacífico Equatorial. Essa mudança de temperatura provoca uma modificação da circulação de ar na atmosfera. No Brasil, o fenômeno se caracteriza por chuvas mais intensas nas regiões Sul e Sudeste e tempo mais seco nas regiões Norte e Nordeste.

Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil / Fotos enchente em Uruguaiana – Defesa Civil 

.