Como essa época de festas pode ser motivo de tristeza para muita gente !

cansada-triste-pensativa

Final de ano aumenta em até 50% os casos de suicídio 

Mesmo que para alguns seja um momento feliz para encerrar mais um ciclo, o final do ano é um agravante ao estresse para pessoas que já estão deprimidas. A sensação de que o ano vai acabar aumenta a cobrança de finalizar tudo, avaliar o que não deu certo, antecipar as metas para o próximo ano, comprar e consumir para as festas que estão chegando, se cobrar de estar com a família e rever alguns amigos…e por aí vai. O psiquiatra Diego Tavares, do Grupo de Estudos de Doenças Afetivas (GRUDA) do Hospital das Clínicas de São Paulo, comenta como o cérebro se comporta nessa fase do ano e porque os casos de suicídio também aumentam com a chegada do mês de dezembro. 

“O ser humano tem uma ligação forte com datas, quer seja aniversários, Natal ou mesmo a virada do ano. Enquanto para a maioria das pessoas momentos como estes são motivos de alegria e felicidade, para pessoas que estão com o cérebro funcionando de maneira alterada como na depressão, tais momentos podem se tornar motivo de mais cobrança pela felicidade que não sentem e de culpa por estarem doentes e deprimidos. A maneira distorcida do deprimido enxergar a realidade faz com que ele piore os desfechos, pense de maneira pessimista e desesperanças e  não veja saída para os problemas. Tudo isso pode aumentar o estresse emocional no final do ano e precipitar desfechos negativos como o suicídio”.  

E isso tem explicação. “Geralmente o indivíduo deprimido apresenta uma distorção das memórias, isto é, lembra mais de fatos passados negativos e do pensamento, pensa mais negativamente, quando está deprimido. Dessa maneira, parece que tudo que aconteceu e o que está para acontecer foi e será ruim. Não há saída. Tudo é mais difícil e tomar decisões se torna absurdamente difícil”, comenta o psiquiatra.

Nem toda pessoa deprimida apresentará ideias de se matar (ideação suicida), mas a presença de algumas características da pessoa ou da família aumentam o risco de suicídio para a pessoa que está deprimida, que são:  

– Elevado grau de depressão, desesperança, desamparo e desespero (4 D`s do suicídio);

– Apresentar uma ideia ou um plano de suicídio bem estruturado; 

– História de tentativas prévias de suicídio;

– Presença de um transtorno psiquiátrico grave já diagnosticado (esquizofrenia, bipolaridade, alcoolismo);

– Acesso a muitos meios e métodos de autoextermínio;

– Ausência de suporte familiar;

– Fatores de estresse que precipitem o suicídio como estar solteiro ou separado; estar desempregado; estar distante da família; estar sofrendo assédio moral em ambiente de trabalho;

– Doenças médicas graves: câncer, quadros dolorosos, doenças reumatológicas, doenças neurológicas, AIDS, doenças dermatológicas graves, etc. 

– Impulsividade aumentada (por exemplo em alguma depressão do espectro bipolar);

– Ausência de fatores de proteção como  autoestima elevada; bom suporte familiar; laços sociais bem estabelecidos com família e amigos; religiosidade independente da afiliação religiosa e razão para viver; ausência de doença mental; estar empregado; ter crianças em casa; senso de responsabilidade com a família; gravidez desejada e planejada; capacidade de adaptação positiva; capacidade de resolução de problemas e relação terapêutica positiva, além de acesso a serviços e cuidados de saúde mental. 

“Por isso observe se alguma pessoa deprimida apresenta algum destes fatores de risco e principalmente, se aproxime dela neste final de ano impedindo que este momento de festas possa se transformar em uma momento de maior sofrimento para ela”, explica o psiquiatra.